Será o fim do Sistema S?

um comentário

O Sistema S é uma solução e um problema.

A parte da solução é fácil de perceber e agradável de fruir. De minha parte, são incontáveis os maravilhosos momentos que o SESC-SP me proporcionou assistindo a shows e peças de teatro. Uma rápida olhadela na sua programação cultural mostra sua importância e a relevância. E isso se repete nos outros estados, talvez não com a mesma intensidade devido às diferenças econômicas entre os estados. O Sistema S é um grande, talvez o maior, patrocinador de cultura no Brasil. Aquilo que o governo não consegue fazer por falta de recursos e a iniciativa privada não faz por si mesma porque o ingresso fica caro demais. Esta é a parte da solução.

O problema é que o Sistema S não faz isso com recursos gerados por ele próprio – aliás, é bom que se diga: o único gerador de recursos que existe na economia é o consumidor; todos os outros, governos e organizações, são receptores e transmissores. Ele se sustenta com base num recurso que a Receita Federal cobra as folhas salariais das empresas e repassa para as entidades que o compõem. Em última instância, é dinheiro público gerado a cada vez que um brasileiro consome alguma coisa. E, se a empresa aumenta o salário do seu empregado, ela tem que pagar mais para a Receita Federal. Sendo um encargo social, a contribuição que sustenta o Sistema S é um problema para o que se convenciona chamar de Custo Brasil (ainda que haja um enorme erro chamar de Custo Brasil apenas o que é pago aos trabalhadores e ao governo, deixando de lado a parte que o empresário embolsa com eufemismos como engenharia tributária e exportação de lucro para a matriz).

Não é de hoje que se discute mudanças neste sistema, com maior ou menor intervenção do governo sobre ele. O sistema é pouco transparente e seus comandantes podem usá-lo de maneira inadequada, inclusive em propaganda eleitoral – Paulo Skaf usa as escolas do SESI-SP como se fossem suas. Hoje, quando se elegeu presidente da república o candidato que diz que “o trabalhador tem que escolher entre emprego sem direitos ou direitos sem emprego”, o sistema corre sério risco de mudar.

Por princípio, eu acho que ele nem deveria existir. Assim como não deveriam existir vale-refeição, vale-transporte, vale-alimentação, FGTS – para ficar apenas nos tributos que beneficiam os trabalhadores. Cada um destes tributos, que hoje são direitos adquiridos, encarece a emprego, dificulta novos postos de trabalho e abafa o fermento da massa salarial. São bons para quem recebe, são bons para um número cada vez menor de pessoas e pesam nas costas do país inteiro. Por princípio, eu prefiro trabalhar, ganhar um bom salário e decidir como gastá-lo e poupá-lo, sabendo que a cada gasto meu um tributo será recolhido e bem aplicado por um governo decente e honesto (ainda podemos sonhar?).

Acontece que falar em diminuir direitos no Brasil está relacionado diretamente a não colocar nada no seu lugar. O governo é um ente perdulário e insaciável em quem ninguém até hoje deu jeito nenhum. Se há um ator no qual não é possível confiar é justamente o governo. O que ele economizar de um lado, ele gastará de outro; o que o governo brasileiro tira com uma mão, ele consome para si mesmo com a outra. Estado mínimo, no Brasil, é só uma piada de mau gosto.

O dia em que aprendermos a pensar no outro e na sociedade, avançaremos. Neste dia, saberemos que direitos adquiridos fora adquiridos de alguém, não foram gerados espontaneamente. Pode-se não gostar de Milton Friedman, mas sua máxima de que não há almoço grátis é válida independente do sistema econômico em que se vive. Porque não há mesmo. E para quem não gosta de Friedman, basta Lavoisier: na natureza nada se cria, nada se perde, tudo se transforma. Se um dia chamarem a economia de ecologia, não será um problema. Será uma solução.

___________________________________

Breve e simples explicação de como surgiu e como funciona o Sistema S está neste link: https://www.nexojornal.com.br/expresso/2017/02/18/O-que-%C3%A9-o-Sistema-S-quanto-custa-e-a-quem-beneficia

 

1 comentário em “Será o fim do Sistema S?”

  1. Oi, primo. Tudo bem? Venho pensando exatamente nesse aspecto da economia. O quanto que ela se parece com a ecologia e como é imperativo que as sociedades administrarem energias (produção e consumo) e ciclos (lixo e água), de forma a racionalizar os usos (condomínios, bairros, subprefeituras, cidades, estados, países, sempre com a escala auxiliando). Sei que há uma indústria de ultraprocessados e inúmeros acionistas pressionando a ponta a consumir cada vez mais sal, açúcar, plástico e papel. Mas se fizermos nossa parte reduzindo consumos e desperdícios, eles terão que se reinventar. Nem era a pauta do Sistema S, mas como no final você fechou com gestão de recursos… acabei indo por esse lado. Ótimo post. Abraço!

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s